Site de Poesias

Menu

As Mãos do Cristo

[Ilustração não carregada]

 
Já olhaste para tuas mãos?
Viste serem instrumentos de teu sentir e pensar?
Já percebeste que as mesmas mãos que podem esbofetear,
Também podem dar o carinho, podem tocar com afeto?
Já observaste que podem servir de escudo contra o outro,
Mas também podem enlaçar-se a outras em gesto de união?
Já as viste em combate a serviço do ato destrutivo?
Já as viste com suave emoção no labor do trabalho?
Já  as testemunhaste fechadas proclamando maldições?
Já  te emocionaste quando fragilizado recebeste suas bênçãos?
Já olhaste o desespero dos que as erguem
aos céus em blasfêmias,
Em contraposição à calma dos que as unem em suave oração?
Assim são as mãos, servas do cérebro e do coração.
E por tua ação tanto podem fazerem-se malditas ou benditas.
Malditas quando esmagarem os irmãos
vendo neles apenas adversários.
Benditas quando estenderem-se
para erguerem os que estão caídos.
Olha para tuas mãos; sente as tuas mãos,
Lembra-te de como tens usado as tuas mãos.
E se por este pensar  te sentires de alguma forma tocado,
Então imagina as mãos do Cristo,
As sagradas mãos de onde emanam bênçãos,
A tocarem a tua face, a enxugar as tuas lágrimas,
A transmitirem-te consoladora força para teu bom combate,
Para tua bendita luta para semear o bem em teu dia a dia.
Fazendo-te monge-soldado daquele que julgas ser teu rei.
Para um dia não ser mais servo, mas filho do Pai Criador.
Para então,  não ser mais súdito, mas irmão de teu Salvador.

 

Compartilhar

20/12/2010