Ao acaso...

Ao acaso...

 
Ao acaso...
 
Foi sem previsão, ao acaso,
Que nossa paixão nasceu.
Ali no jardim, no ocaso,
Senti teu olhar no meu...
 
Fingi não ver-te sorrir.
Minhas faces afogueadas
Selaram nosso porvir
Oculto nas alvoradas.
 
Chegaste perto de mim.
Meu coração disparou.
Ouvi tua voz, enfim,
Quando amor me declamou...
 
Não foi por acaso, porém,
Que não nos separamos mais.
Foi por conquista de alguém
Que esperou por ti demais...
 
 
 
Imagem: Internet – Google
 
Respeite os direitos autorais

 

Mardilê Friedrich Fabre
© Todos os direitos reservados