Ninho em lençóis

Ninho em lençóis

Quando tocar o meu corpo

Suaviza o toque

Desliza com brandura suas mãos toscas

Pelas minhas curvas rugosas

Recolhe em conchas

O coral dos meus lábios buliçosos

Rubi sussurrante

Pulveriza com sua semente o meu grelo

Ebulição

Arrepio em pêlo

Talvez alguma obsessão

Sim, ainda podemos tremular de júbilo

Revirar os olhos

O tempo não fechou os poros

Nem nos tornou mais rijos

Apenas mais contidos

Revoada de sonhos

Alguns ainda encontram ninho

Em nossos lençóis

Pouso breve, porém intenso

Sem a rudeza do espinho

No final ...

O mutismo

                                Úrsula A. Vairo Maia

 

* Direitos autorais publicados

 

Este poema é uma homenagem aos amantes mais maduros ou idosos e foi escrito em Maio deste ano, após estudos realizados sobre a terceira idade.
Obrigada por me conceder o privilégio da sua visita

em meu cantinho