CRISTAIS

Deixei que a lua prateada
Banhasse meu corpo cansado
Serena e suave ela sorria pra mim
Sorria da noite estrelada
Do rastro de sol que pairava no ar 
 
Sentia-me enfeitiçada, anestesiada
Com aquele sorriso maroto
Permiti-me abandonar serenamente
A mercê daquele feitiço
 
Voei para bem longe, em terras distantes
Por planícies infinitas, nos ares e mares
Nas águas azuis do oceano
Nas asas férteis da imaginação   
 
Voltei á cidade perdida de prédios de cristais
Das águas cristalinas, das minas perdidas
Das terras distantes de meus ancestrais.

Arlete Lopes
© Todos os direitos reservados