Site de Poesias

Menu

Valeu o encontrão


Passeava à beira mar.
Sempre a olhar para o chão.
De um momento para o outro.
Levei um grande encontrão.

Desequilibrei-me e cai.
Com dores no abdómen.
De seguida ouvi uma voz.
Parecia-me mais de homem.

Que me perguntou se estava bem.
A ouvir tal voz interessada.
Respondi-lhe que tinha uma dor.
Mas que não era nada.

De seguida sentei-me no areal.
E vi uma pessoa com carapinha.
Que sorria para mim.
E dizia a culpa foi minha.

A olhar bem para a pessoa.
Vi que era uma bela donzela.
Pelo que fiquei atrapalhado.
Ao mesmo tempo sorria para ela.

Após tal contacto visual.
Sentei-me numa rocha.
Esta sentou-se ao meu lado.
Sorridente e bem disposta.

Perguntou-me o que ali fazia.
Ao mesmo tempo me agarrava a mão.
Respondi-lhe que fazia uma caminhada.
Porque faz bem ao coração.

Esta a ouvir-me com atenção.
Pôs a sua mão no meu pescoço.
A sua cabeça no meu ombro.
E disse-me tu és bom moço.

A ouvir tal elogio.
Fiquei um bocado envergonhado.
Esta olhou-me fixadamente.
E disse-me queres ser meu namorado.

A ouvir tal pedido amoroso.
Olhei-a bem de frente.
E respondi-lhe que sim.
Pelo que beijou-me apaixonadamente.

Os beijos foram tantos.
Que não se apercebe-mos.
Que já era de dia.
No areal adormece-mos
 

Compartilhar
rui santos
20/01/2014

  • 0 comentários
  • 33 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados