Site de Poesias

Menu

O Sabá da Feiticeira

Ela não sabe se foi o vinho,
Ou se pura intuição...
Se despiu das suas roupas,
E dançou no caldeirão.

A lua era só sua,
O seu corpo a iluminar...
A dança era o seu feitiço,
O mais gostoso do Sabá.

Pecaminosa ela dançou,
E viu um mago a espiar...
Não precisaram de palavras,
Se amaram no olhar.

Exploraram os sentidos,
Sentiram o êxtase de cavalgar...
E a Feiticeira descobriu,
A liberdade de se dar!

Compartilhar

A liberdade de amar, de ser mulher, feiticeira e pecaminosa... Em casa, 21:00 h - 26.11.2005

Feiticeira
28/11/2005