Site de Poesias

Menu

Lago De Lágrimas

"Lago de Lágrimas"

Seguia o Lance por sua estrada
Até encontrar uma vila abandonada
O motivo da fuga era desconhecido
e sozinho ficava, nosso Lance amigo.

E sob a noite enluarada
O Lance canta uma balada
De triste história, muito antiga
Uma grande tragédia, uma pequena cantiga

Em um lugar, esquecido e distante
chegava um nobre cavaleiro errante
De grande honra em seu coração
chegava à cidade Lance e o Leão
 
buscava o cavaleiro paz e harmonia
Pois ele almejava mais sabedoria
Olhando o mundo em meditação
Passando um ano em contemplação

E em seu coração morava tal humildade
que ao chegar em uma tão pobre cidade
disfarçou-se Lance de humilde fazendeiro
escondendo sua posição de nobre cavaleiro

Pois temia que o povo se intimidasse
E com fúteis honrarias se incomodasse
Então à floresta ele se retirou
e lá um tesouro Lance encontrou

andando sozinho, um lago achou
E uma linda canção, Lance escutou
Embevecido ao som de tal melodia
 Lance se perguntou de onde viria

E olhando à margem do outro lado
Uma jovem Lance viu, admirado
Cabelos negros e olhos de mel
Túnica de seda, da cor do céu

Colhia flores enquanto cantava
E a presença de Lance ela ignorava.
O cavaleiro da moça se aproximou
E no mesmo instante, se apaixonou

pois a moça então, o cavaleiro notou
e o seu olhar o dele encontrou
Em um segundo, uma era passou
E aquele instante, pra sempre durou

e os dois amantes, apaixonados
juraram viver sempre lado-a-lado
E sob a luz das estrelas, amor eterno juraram
E no dia seguinte, os dois se casaram

O tempo passava em pura felicidade
Mas o triste destino lhes reservava a maldade
Pois num dia cinzento, de céu nublado
Para a guerra Lance foi convocado

Lance, decidido, seu dever cumpriria
por honrado era, e ao amanhecer, partiria
A sua esposa começou a chorar
Mas disse que sempre iria esperar

E na manhã seguinte, ele partiu
E com ele o amor da moça seguiu
E na despedida, ele se fez jurar
Que após a guerra, pra casa iria retornar

Mas Lance não cumpriu o seu juramento
Pois em tarde sombria, coberta de lamento
Em campo de batalha, o Cavaleiro tombou
E para sua esposa jamais retornou

Ao belo lago jamais voltaria
à sua esposa ele não retornaria
E à ela Lance não mais diria
Que para sempre ele a amaria.

E a linda moça se pôs a chorar
na beira do lago, sempre à esperar
pois o seu juramento ela cumpriria
e o retorno de seu amado ela aguardaria

Mas nunca chegaria a esperada vinda
E reza a lenda que hoje ainda
Se a água do lago alguém provar
O gosto de lágrimas vai amargar.

Compartilhar
eddy silva
12/02/2012

  • 1 comentário
  • 271 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados