Site de Poesias

Menu

Ode à mulher-minha



Quando minha mulher, irada
com meus desfazeres e bobagens,
se põe a reclamar da vida
e das minhas roupas largadas e mazelas
viro ator de vaudeville, viro tenor, e canto e declamo
só pra ela meu Hino à Mulher-minha
com empostação vibrante, risonha, audaciosa:

“Pára, louca destrambelhada, deixa de besteira,
deixa de prosa, que te amo de montanha,
que és a busca do tempo perdido,
és o nome da rubra rosa,
Paulicéia desvairada, Guanabara cortesã,
Mineirinha discreta, enfezada Nordestina,
Desbravadora dos Pantanais, índia-loura-ocultada-amazona,
Mulher dos Pampas, deusa-fada feliz da montanha,
dos campos e do proceloso mar...

Que és meu vento, sabes? És chuva e sol e ar,
mulher minha e criança redimida,
contaminada contudo por minhas estrelas,
meus cometas, meus foscos luares....

Vê, repara que tu me acendes, sempre, se obliteras
a ferida antiga dos meus muitos males,
se me dás aquele beijo que me salva
co’os lábios úmidos, co’a boca sapeca
me deixando assim, sempre, fraco e farto,
enfastiado de meu mais recôndito desejo...”
 
Ah, fêmea-bandeira,
na minha vontade desvairada, na voraz procura
de restar por aqui nesse planeta,
de sobre-viver ao tempo, te digo:

"És minha pátria, és galáxia sacana e brejeira,
moça dos olhos verdes sem norte e sem meta,
minha esperança mais intangível e pura,
a luz gloriosa do meu dia,
minha seta, hara, centro, redemoinho, umbigo,
minhas rodas, meu volante e luzes,
a minha cadeira-de-balanço, a minha dama-da-noite,
o meu vir-a-ser e perene alegria,
único elo forte meu co’a loucura –

E sempre, sempre, sempre a verdadeira amiga,
a criança-mulher de alma curiosamente pura
rosa rosa rosa margarida azaléia rubra rosa,
meu café quente nas noites de frio,
meu cobertor verdinho, enfim, fêmea querida,
meu sonolento amanhecer...

(... e se pudesse,
meu ego nada zen, bobo-abusado,
esquerdo, vidente, sacana,
assinaria embaixo as estrofes acima gritadas,
e mais ainda te falaria, mulher querida,
co'a fala ávida, farta, libidinosa:

“Pára, louca, deixa de besteira,
vamos lá, musa minha, deixa de prosa,
que te amo de montanha...”)

Compartilhar
Fernando Naxcimento
05/11/2011