Site de Poesias

Menu

R E S S A C A

 

 

vejo o quanto o sentir

sublime em elevações sutis

refém encontra-se na matéria

de carne, ossos, nervos e cartilagens


quão frágil organismo

me abriga a mente

mesmo liberta em devaneios

presa está nos seus limites


basta um apetite aguçado

um beber mais ousado

eis-me em desconfortos

abatido, extenuado


e no pensar obnubilado

por uma fugaz alegria

em ressaca apagado

custo de efêmera euforia...

 

Compartilhar
EDILOY A C FERRARO
20/04/2011