Site de Poesias

Menu

A NATUREZA REVOLTA

Pensem na extensão do mal que fizemos,
Para tornar a natureza tão revolta...
Pensem nos erros que cometemos
E que agora contra nós se volta.
 
Esquecemos que também somos natureza,
E quando estamos sofrendo são muitos os nossos ais.
A Terra como nós também tem fraquezas
E se revolta quando nossos desmandos são demais.
 
Por que a agredimos se ela tudo nos dá graciosamente...
Nós mesmos somos oriundos deste chão,
Mas não reconhecemos o vínculo materno e friamente
Vamos cometendo genocídio contra quem da nossa existência é a razão.
 
Busquemos com nossos irmãos primitivos
O conhecimento por eles sabido
Para que possamos manter nosso mundo vivo,
E não sermos no Universo, apenas um elo perdido.
 
A Terra é viva, e ela sente a agressão
E a revolta é a forma de protestar contra o sofrimento
Que lhe impomos levados por ganância e ambição.
Achamos ser o mais evoluído, então por que tal comportamento?
 
Voltemos a ter os pés descalços, vivermos em tapera,
A viver da natureza a mesa farta que ela nos oferece
E ver a alvorada linda que em nosso despertar-nos espera,
E no poente ao entardecer o sol se pondo em forma de prece.
 
Desperta tu ó imperfeito homem, tu não te conheces, te descubras!
Na deixe que o que antes era inócuo, fique frio e vazio,
E nem que falte quem de terra ao tombares te cubra.
Nem queira ver cair à última folha, e, secar o último rio!

Compartilhar

Diante de nossos olhos está sendo pintado um futuro tenebroso pela estupidez e cobiça de uma grande percela da humanidade. Uma situação que se não for feito algo que amenize as consequências da tragédia que se anuncia, infernal serão os nossos dias futuros. Este planeta onde a natureza com maestria faz dele um paraiso, está sendo agredido da mais estupida e sordida maneira pela estupidez humana na insensatez dos seus atos absurdos. A sociedade dos homens civilizados se comparada com as culturas consideradas selvagens, perde em muito no conhecimento e respeito à mãe terra e a natureza. Revendo o meu passado.

Ubirajara Fernandes
15/12/2010