Site de Poesias

Menu

Encantos Teus

[Ilustração não carregada]

 

 
Quando o percebido pelo olhar se expressar em palavras,
haverei de descrever duas faces mescladas em destinos.
Direi que em algum lugar se ouvia música que tocava o coração.
Indicarei que o tempo se perdeu, e a preguiça divaga leve.
 
E que terei direito a tal descanso, que esquecerei o cansaço.
A memória se fará generosa, se abrirá para boas lembranças.
A imaginação se fará fértil e encantará com tantos sonhos.
Alguém raro, jóia preciosa, estrela de meu céu de luzes. 
 
Verei teu nobre perfil vestido por translúcidas nuvens,
e teu corpo entre desnudo e cheio de pudores há de encantar.
Lembranças feminis, um toque delicado, uma voz suave.
Fragrâncias de uma epiderme, brilho de olhar, um sorriso.
 
Brincarei de saudade, e terei ilusões com o tempo futuro.
Não serei poeta, mas apenas abrigo para surgir a poesia.
Letras livres, versos que foram escritos por puros sentimentos.
Libertos como que o alto voo das águias, como cavalos selvagens.
 
Na ingenuidade, haverá um tempero de um toque de sensualidade, 
pois que a sedução provoca quando a química do corpo se encanta,
pois que o verbo fica versátil quando as energias da alma se cruzam.
E o calor do afeto se fará terno, e a paixão desafiará o amor. 
 
Musa etérea que vaga em trilhas oníricas, corpo de mulher.
Quais linhas divinas te deu o Criador, qual delícia, filha de Eva?
Atenta contra as virtudes que fogem dos desejos, mas é santa,
é anjo do céu, é beleza em flor, pois que deixa ébria a razão.

 

Compartilhar

03/01/2010