Site de Poesias

Menu

Adeus no Cais

 
Adeus no cais
 
No cais sob o apito
Braços se erguiam num adeus
Adeus que se repetia a cada ano
Num renovar constante de esperança
E ilusão
 
No cais aqueles braços
Não se ergueram nunca mais
Pois o Viajante partiu para sempre
 
Numa longa viagem sem despedida
Para regiões muito distantes
Muito além desta vida
 
 

 

                                                                                         

 

 
                                                                                         
 
 
 
 
                                                                                         
Adeus no cais
 

 

 
  
                                                                                         
Adeus no cais
 
No cais sob o apito
Braços se erguiam num adeus
Adeus que se repetia a cada ano
Num renovar constante de esperança
E ilusão
 
No cais aqueles braços
Não se ergueram nunca mais
Pois o Viajante partiu para sempre
 
Numa longa viagem sem despedida
Para regiões muito distantes
Muito além desta vida
 
 
                                                                                         


                                                                                         
 

Compartilhar
Fernando jorge da Costa mariz
06/12/2008

  • 1 comentário
  • 184 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados