Site de Poesias

Menu

“Doce (de) leite” - Soneto

[Ilustração não carregada]

 “Doce (de) leite”

Cá estou eu no doce deleite dos teus braços
No peito nu, definido, de saliva, lambuzado
Dedos curiosos vão contornando meus traços
Brincam com os fios do meu cabelo espalhado

Fazendo me calar, tua boca sufoca os gemidos
Teus dedos são tentáculos que nos enlaçam
Deslizam... Eriçando todos os sentidos
Vasculham, buscam, exploram, encontram

Tua voz ofegante é promessa de algo vindouro
Argamassa de suores, desejo que não se finda
O ápice do querer, seguida da paz bem-vinda

O silêncio que se segue, diz tudo, vale ouro
Lânguidos desfrutamos, corpo tatuado em mim
Esse amor alimentado, envolto em lençóis de cetim.

Glória Salles
05 novembro 2008
17h14min

Compartilhar

Obrigada por estar aqui.
Minha escrivaninha se ilumina com sua presença.
Bjo,bjo Uma madrugada dessas...

Gloria Salles
10/11/2008