Site de Poesias

Menu

"Ao Meu Ver"

O máximo da essência, o extrato da vida
É sorvido através do coração, não da razão
O coração compreende a felicidade, o incenso
E a razão se restringe aos fatos, o intenso
 
Do sentimento eu quero o ópio
Das lágrimas eu quero o doce sentir
Do sorriso apenas o movimento
Da saudade eu exijo o completo
 
Vivo, pois quero viver intensamente
Quero o mais puro conceber
Do gelo que faz meu dente doer
E do limão, minha saliva transbordar
 
Quase quarenta e me vejo ainda no ontem
Percebo que a vida é breve, e não a sinto de tão leve
Necessito de tudo que ainda não conheci
E sorridentemente despejarei a palha do milho
 
O sentimento não é azul é carmim
Que venhas então dentro de mim
Mais e mais, e quererei-te muito mais
De todos os senhores confusos, o amor é o néctar
 
Doravante retirarei o mel de toda colméia
De cada flor o pólen e todas as pétalas
Do Sol os raios e da Lua todos os enamorados
Ai sim, poderá tirar de mim todo meu êxtase
 
Decididamente, o material não carregarei
E o peso para traz, enfim, deixarei
Carrego comigo, a plena certeza, que tudo podes tirar
Mas a dádiva das emoções, só a mim pertence.

Compartilhar
Heider Moutin//
23/05/2008