Site de Poesias

Menu

Cordel da Morte Derrotada e da Vida Vencedora

olha o sopro do dragão
olha o sopro do dragão
ohlha o sopro do dragão -
não castra, vaca-morte,
minha imaginação

olha a não-concretização
da imobilidade do meu coração
olha os furos perfurados
do meu coração
a buraqueira, a fossa
que debalde cavastes...

goza o sopro abafado do dragão, morte-vaca,
cabra safada, perna-torta, agoureira
o teu remédio, teu elixir
pela última vez...

larga da minha mão,
que deixei de ser freguês
do meu negativo não,
e o meu quase, o meu talvez
ficou já bem pra trás...

agora sou só sim-de-verdade
sou fera à cata da felicidade

me larga, parca, então
respeita a minha a-fir-ma-ção
deixa de atropelação, bruxa-da-foice
que sou temente aos Deuses -
Os Todo-Poderosos

que sou diamante-bruto e rebrilhante
sou vivo, ágil, alegre, formoso
e tu és o nada, o vazio, o esquecimento,
vidro-fosco-sujo-podre-e-estilhaçado...

e não sorve mais meu pranto -
que nesse aperto, nesse desacato
já estou completo, desatado,
e te vencerei sempre pelo amor.

fica sabendo, morte-morrida - sou pura cor
sou forma, eletricidade, movimento, ação
e que não sou ouriço-caixeiro, e nem perereca
nem comida-estragada,
e nem bicho rasteiro
e nem minhoca.

o que eu sou agora, é
fenda aberta, greta, o cavucado, pororoca-voçoroca
montanhas inatingíveis de tão geladas e altas
o mar profundo, a onda perfeita,

as núvens do céu, as estrelas,
a lua, o sol, os planetas-todos,
a mata fechada, a paz total, a total afeição
puro encanto, puro amor
incondicional

o que sou agora, morte-besta, é
um sonho, um sonho-bem-sonhado-e-imortal,
uma alma-pura-de-fera-bicho-animal
aves de arribação
arvore secular

pedra-de-toque
redonda e pesada,
a mais pura convicção
na força e glória dos Corifeus...

Ah, morte-besta, que não me finarei...
sou diamante, sou diamante, tu és vidro,
eu sou sempre eu, artista solitário no plano da Terra,
e tu - tu és apenas a porca-guerra
o nunca-mais, o desfazimento.

E se algum dia eu mesmo me finar,
voltarei ainda: o pior de todos os demos,
o mais sublime de todos os santos,
pra de vez te desancar -

pleno de alegria, imune à dor,
valente e puro como os gregos unicórnios,
interminável como aqueles peixes-de-braços,
os eternos peixes-CELACANTOS

Compartilhar

Tentativa de cordel, canto de alegria e felicidade - de quem quer vencer a morte em vida. Armação dos Búzios, quarta-feira, 29 de março de 2006, 13:19 h. Finalzinho do CD do show acústico do Legião Urbana. Jo preparando uma pizza margherita, Paulinha decorando pedras com guache Talenz, eu traduzindo o Wilmore... PAZ NA TERRA AOS HOMENS

Fernando Naxcimento
16/09/2006