Site de Poesias

Menu

Vinho, intelecto e afeto

Reverberam os enólogos renomados:
Que vinho é alimento para a alma,
Que vinho rejuvenesce as veias,
 
Que os olhos brilham que nem estrelas,
Que mais nobre, quão mais engelhada a safra,
Que apreciá-lo é virtude de sofisticados.
 
Eu vivi, por longo interstício,
A me admirar como a um virtuoso,
Segundo o conceito dos enólogos;
 
Até cria piamente no viés científico,
Afeito a este ritual quase religioso,
De que vinho é manjar de filósofos.
 
Avultava em mim, que eram do auspicioso vinho,
A crença caliginosa de eterna pele macia,
A verve de parir sáfaros versos de poesias.
 
Todavia, hodierno, remodelado meu caminho,
Alijei-me do seleto grupo da alcoolemia,
Nãos mais me inebriam as estrofes arredias.
 
Meus versos gestados no intelecto,
Dantes, percorrem a alameda do coração,
E espocam na voz, com graciosa sonoridade,
 
Após, como se fossem laivos de felicidade,
Prorrompem ao sublime domínio da razão,
Até que se propagam uma vida de afeto.

Compartilhar
Cid Rodrigues Rubelita
10/05/2020