Site de Poesias

Menu

A morte

Um casal já velhote,

Lamentando a sua sorte,

Lembrava-se da mocidade e só falava de morte.

Um certo dia cansados sentadinhos à lareira,

Um tanto contrariados falavam desta maneira:

- D'us queira que eu vá a frente dizia o bom velhinho,

Para não sentir tristemente a falta dos seus carinhos.

Franzindo a testa a velhota responde ao marido assim:

- Se a morte bate a nossa porta que leve primeiro, a mim.

Foram-se deita, já de noite, a hora morta,

Quando ouviram bater a porta:

- Quem está aí a bater? pergunta o velho em tom forte.

Logo, ouviu-se aresponder:

- Venha abrir que é a morte.

Então o velhote simpático diz a mulher a tossir:

- Me deu uma dor reumática que a porta não posso abrir.

Ouvindo isso a velhinha começou a se afligir.

Inventou uma dor na espinha para lá também não ir.

Mas, a morte estava irada não esperou prá depois,

Entrou com a porta fechada e levou os dois.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Compartilhar
Shoshana
26/07/2017

  • 0 comentários
  • 25 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados